10 ótimas séries que foram abandonadas por suas desenvolvedoras


Ok, você tem toda razão em me olha com essa cara. Sim, eu sei, esse blog está abandonado há mais de DOIS FODENDOS ANOS e muitos dos que acompanhavam os nossos posts ficaram a espera de algo novo e me pedindo para voltar a escrever e atualizar o blog e... Eu sei que todos se sentiram meio decepcionados. Mas, eu nunca quis abandonar o Joystick Bugado, de verdade, aconteceram muitas coisas na minha vida pessoal que me impediram de postar por aqui, por diversas vezes eu dizia para mim mesmo que iria voltar e sempre alguma coisa inesperada acontecia e eu era obrigado a adiar esse momento.

Mas, é aquele ditado, "Antes tarde Duke Nuken''. E como podem ver, meu péssimo senso de humor não mudou nada. Oh, acabei de fazer uma piada associando a espera e a paciência por algo melhor com um dos maiores desastres da indústria dos games sobre um jogo que os fãs esperaram uns dez sofridos anos para ser lançado e quando o mesmo chegou se mostrou uma mídia digital entupida de bosta e fezes compacta.

Calma leitor, eu sei que peguei pesado agora, fãs de Duke Nuken não costumam vir aqui.

Um certo garoto, uma vez, postou na nossa página do facebook um pedido para que voltássemos a ativa e que esse é um dos melhores sites que ele já visitou, eu fiquei muito surpreso com isso, porque não imaginava que esse blog tivesse ''fãs'' ou pessoas que realmente gostassem dele, a principio, eu meio que nunca esperei ser reconhecido pelo meu trabalho, e aquele garoto realmente me deixou alegre! Céus! Alguém, realmente, quer ver essa joça de volta à ativa! E isso me incentivou bastante a voltar.

Pois então, caros leitores, que não tem mais o que fazer da vida e perdem seu tempo lendo textos de um cara chato que escreve suas opiniões chatas em um blog chato, saibam que nunca vou abandonar este blog, posso ter uma vida puxada e cheia, mas, sempre que eu arranjar tempo, vou procurar escrever por aqui para vocês, mesmo que uma única pessoa venha a ler, já me sentirei satisfeito. 

Agora que já dei minhas explicações quanto a meu sumiço de repente, hora de irmos ao nosso artigo logo, pois, já escrevi um bocadinho e não quero deixar esse post maior do que o direito que ele tem de ficar. 

Já notaram que o que não falta hoje são séries e franquias de jogos que foram abandonadas ou descontinuadas? Séries tão amadas que acabaram deixando uma multidão legionária de fãs raivosos e insanamente perturbados a ponto de destruírem suas casas, queimarem os gramados dos vizinhos e lançarem um novo jogo do Bubsy QUE NENHUM MASOQUISTA NESSE MUNDO PEDIU

Sério, juro que não achei nenhum outro motivo para terem cometido esse crime hediondo contra a paz humana. 

Enfim, muitas séries são descontinuadas ou abandonadas eventualmente, e muitas vezes são aquelas que tem um apreço enorme de diversos jogadores e o sentimento de perda é enorme, falando sério, e aproveitando essa situação eu resolvi listar aqui as franquias de jogos que não só foram abandonadas como poderiam muito bem voltar assim que possível. Lembrando que vou listar aqui as séries e franquias que eu mais gostaria de verem de volta, então terei que deixar algumas de fora, e se por acaso sua franquia não estiver aqui e você não reclamar nos meus ouvidos feito uma putinha eu posso, talvez, um dia fazer uma parte dois, tudo certo?


Streets of Rage 

Streets of Rage, para quem não sabe, foi uma trilogia beat'em up da Sega lançado para o imortal Mega Drive para concorrer contra Final Fight que era do SNES. No jogo sua única missão se resumia em dar porrada em muitos baderneiros, andar para frente, dar mais porrada, andar mais para frente, dar mais um pouco de porrada, andar um pouco mais para frente e adivinha só... Descer novamente o cacete mais e mais vezes nos arruaceiros!

O jogo não é um beat'em up genérico, temos muitos personagens diferentes para usar, cada um com seus atributos e vantagens específicas, além de serem bem carismáticos. Temos o Axel, que é o mais equilibrado de todos e faz o típico protagonista bondoso, temos também o Adam que é um negão ex-boxeador e bom de briga, e também não podemos nos esquecer da Blaze... 

Eu vi a cara que você fez, seu pervertido! Não adianta fingir mais, eu sei porque você sempre escolhe a Blaze e também sei porque o botão de pause do seu console está com problemas. 

De qualquer maneira, Streets of Rage é um título absurdamente conhecido e recebeu o posto de "jogo cult". A Sega tentou lançar um quarto jogo da série duas vezes, na primeira tentou modificar um outro título que já estava quase pronto, mas desistiu no final, enquanto o título foi lançado com outro nome: Fighting Force, este é a coisa mais próxima de um Streets of Rage 4 que você poderá ver. Mais tarde tentaram lançar para o Sega Saturn e para o Dreamcast, porém não rolou, uma lástima! 

Alguns fãs fizeram um fangame sensacional chamado Streets of Rage Remake, a obra ficou impecável e foi de causar lágrimas nos fãs de longa data, não é uma continuação oficial, mas serve para nos dar um raio de luz. Acho que a Sega poderia contratar esse pessoal para produzir um jogo oficial, assim como fizeram com Sonic Mania e, diga-se de passagem, que deu MUITO certo. Será que um Streets of Rage Mania cairia bem?

Gunstar Heroes 

Já que eu comecei falando de uma franquia abandonada pela Sega, vou aproveitar para lembrar vocês de outro título que causará um orgasmo instantâneo ao jogadores mais saudosistas. Estou falando de, nada mais e nada menos, que Gunstar Fucking Heroes! Se acha Metal Slug uma série difícil, então irá sangrar pelos dedos se passar alguns minutos com essa maravilha aqui. 

Gunstar Heroes é um "run & gun", são aqueles jogos onde se sai correndo feito um trem-bala desgovernado atirando para todos os lados e rezando para que ninguém acerte um tiro em você no meio da treta toda. ISSO SIM É JOGO PRA MACHO ALPHA COM BOLAS DIGNAS DE CLINT EASTWOOD! Não o suficiente, ainda temos ao nosso dispôr quatro tipos de tiro diferentes que podem se fundir entre si e criar um disparo do jeito que preferir, é simplesmente divertido até o último momento! 

Esse jogo já foi considerado um dos melhores do mundo por diversas revistas e sites de mídia, além de ser premiado como Melhor Jogo de Ação de 1993, pela Electronic Gaming Monthly. Aqui no blog, inclusive, já o considerei um dos melhores games do Mega Drive. Até onde sei, foi lançado também uma continuação do jogo para Game Boy Advance que parece ser boa, mas não cheguei a jogar ainda, um dia prometo dedicar um tempo a ele e postar uma review aqui no blog. 

De qualquer forma não sei o que levou a Sega e a Treasure a abandonarem essa série, vai ver um funcionário foi até o presidente da desenvolvedora propor a criação de um novo Gunstar Heroes e no momento do grande encontro olhou sem querer para os peitos enormes da filha dele o deixando tão desonrado que o mesmo prensou sua cara na parede usando dois controles de Sega Genesis© e disse: 

"Oooh bakarayo! Você, depravado, desonrar minha família, irá pagar jogando 24 horas de Dark Castle e Barney Hide and Seek enquanto um cosplay gordo e fedido de Robotnik dança na sua frente" 

"M-m-mas senhor, eu tenho uma idéia incrível sobre uma série nossa, Gunstar Heroes, p-po-podemos revive-la com esse incrível jo..."

"Silêncio! Saia já da minha sala, as dançarinas de ballet de 16 anos vem aí me alegrarem, eu nunca mais quero ouvir falar em Gunstar Heroes, nunca mais!"

Então o presidente se sentou em sua poltrona em uma posição meio estranha enquanto o funcionário se retirava chocado ao mesmo tempo em que derramava muitas e muitas lágrimas. E é exatamente por isso que nunca mais saiu um novo Gunstar Heroes... Uma pena.
Banjoo-Kazooie 

Vou mandar direto na lata, eu nunca joguei Banjoo-Kazooie. 

"COMO É QUE É EVANS??? SUA FARSA BARATA QUE CHEIRA A FÉZES DE CABRA!"

Pois é, nunca joguei e não foi por falta de oportunidade. MAS, é preciso reconhecer que Banjoo-Kazooie é um dos platformer 3D mais bem sucedidos que já foram produzidos. Personagens carismáticos, cenários grandes e cheios de caminhos diferentes, com trocentos coletáveis, controles que aparentam ser bem programados, etc. Eu tenho quase certeza de que este pode ser o melhor platformer feito para o Nintendo 64, eu realmente posso estar errado, mas minha intuição diz isso. Foi feito pela Rare, no passado uma lendária desenvolvedora responsável por outros títulos de peso, como GoldenEye 007 (Um dos pioneiros em FPS Multiplayer), e também um fracasso tão lamentável nos dias de hoje que fariam até os africanos repensarem se estão tão ruins assim.

Os primeiros Banjo-Kazooie eram jogos sensacionais, e isso é inegável, porém, depois que a Rare resolveu abandonar a Nintendo o futuro lhe guardou as ruínas. Banjo sofreu as consequências com a sequencia Banjo-Kazooie Nuts & Bolts que, aparentemente, é um jogo tão abaixo da média, sem originalidade e inferior que isso levou a série a seu amargo fim. E isso não é exagero, esse jogo conseguiu a proeza de ser avaliado por 68 no Metacritic pelos user reviews. Muitos me falam que o jogo se foca somente em construção genérica de carrinhos e missões repetitivas e monótonas, eu sinto um calafrio na espinha só de me imaginar jogando esse pedaço de sucata. 

Nesse ano a Playtronic Games, um grupo de veteranos da Rare que já trabalharam em Banjo-Kazooie, Donkey Kong e outros títulos de peso, lançou Yooka-Laylee a "continuação espiritual" de Banjo-Kazooie, que teve um investimento massivo dos fãs no Kickstarter, parece não ter virado e o jogo acabou saindo bem abaixo das expectativas dos fãs, alguns dizem que o gênero de platformer 3D é "datado", outros que o jogo saiu medíocre mesmo, enfim, uma pena, e isso só dificulta mais ainda para a Microsoft e a Rare resolverem trazer Banjoo-Kazooie de volta.

Breath of Fire 

Breath of Fire é, disparado, umas das melhores séries de RPG que existem, sendo o primeiro e único da Capcom. Vou ser sincero, nunca joguei até o fim nenhum título da franquia, apesar de ter jogado do um até o quatro (Não tenho a mínima vontade de jogar o 5, meio mundo reclama dele, incluindo os próprios fãs). Acontece que, sempre que eu ia jogar algum BoF a primeira coisa que vinha na minha cabeça eram os RPG's que eu gosto como Final Fantasy, Pokémon, Disgaea, Shining Force, etc e acabava por largar o jogo e ir jogar um deles. Sim, eu sei, eu perdi muito com essa atitude, mas pude jogar o suficiente para perceber que todo e qualquer tipo de jogador PRECISA E DEVE jogar Breath of Fire, e qualquer um que discordar de mim merece ser estuprado por um camelo. 

Apesar de ter alguns enredos clichês, BoF tem momentos extremamente marcantes e emocionantes, capazes de fazer qualquer marmanjo chorar feito um torcedor do Palmeiras em final de campeonato. Principalmente em Breath of Fire II com sacrifícios e conclusões tão amarguradas que às vezes eu penso que os roteiristas desse jogo passavam as tardes assistindo A Lista de Schindler e Centopéia Humana para dar uma animada. 

Sem falar que a jogabilidade também é ótima, não se distancia tanto de um RPG comum, porém é tão charmoso quanto, os inimigos e os heróis possuem bonitas animações 2D quando atacam, além dos cenários serem grandes, de boa exploração e usando o sistema de tempo para ficar de dia e de noite e dessa forma influenciar inimigos que aparecem e NPC's que interagimos. Ok, isso pode não parecer grande coisa nos dias de hoje, porém não se esqueçam que estamos falando de uma série que se iniciou em 1993, época em que as pessoas se impressionavam com um mero cartucho de 20Mb.

E o fato da Capcom ter sepultado essa franquia incrível sem mais nem menos é motivo para eu ter crises de depressão uma vez ao mês. Maldição Capcom! Vocês não tem o mínimo de compaixão pelos seus próprios fãs? Espero que não tenham feito isso de novo... 

Darkstalkers 

Mas que porra Capcom! 

Darkstalkers é de longe uma obra com muito potencial e originalidade, porém com um grande risco ao ser lançado na época em que o foi. Lembram quando a Nintendo lançou Splatoon em 2015? Em um mercado de jogos onde o gênero shooter já estava totalmente saturado, sempre que saía um era sobre guerra civil/mundial ou apocalipse zumbi, e sendo sincero, eu já estava cansado. Então a Nintendo lançou um shooter de crianças que viram lulas e atiram tinta para todos os lados e ganharia quem pintasse mais o cenário da cor do seu time. Digo, olha a discrepância do estilo que dominava e a proposta do jogo, ninguém apostaria na Nintendo. 

E por incrível que pareça Splatoon foi considerado o melhor shooter e melhor multiplayer, no ano em que foi lançado, no Game Awards, além de concorrer como melhor jogo para a família.

Darkstalkers se trata do mesmo fenômeno, porém não tão grandioso. Em 1994 todos os jogos de luta eram... Bem, não sei qual a palavra certa para usar, mas eram todos bem realistas e todos os personagens representavam uma classe específica de lutadores que existem de verdade. Vejam Street Fighter, por exemplo, Ryu é o típico lutador de artes marciais, Guile é o sargento militar americano, Dhalsim é o lutador hindiano com forte apego cultural, Bison é o ditador ou tirano que governa por motivos egoístas, e assim por diante. Percebe que todos esse personagens representam, mesmo que indiretamente pessoas das mais diversas nacionalidades e culturas da vida real? 

E é por isso que Darkstalkers merece uma atenção especial, pois esse jogo se trata de todas as criaturas das trevas oriundas do folclore perdendo os seus dentes em brigas alucinantes para se ver quem será o rei da noite! Sim, e isso era, de alguma forma, inovadora em sua época, e o melhor de tudo é que o resultado dos conceitos nos trouxeram um dos jogos de luta mais geniais que existem! 

E duas das garotas mais belas e sensuais dos jogos, verdade seja dita! E não adianta me dizer que você nunca dedicou uma bronha à Morrigan, ninguém pode enganar o Titio Evans, meu caro padawan, 90% do público que joga Darkstalkers se resume em moleques de 10-14 anos que são cheios de hormônios e curiosidades e todos nós já fomos um deles.

Pulseman 

Eu, sinceramente, NUNCA poderei perdoar a Sega e a Game Freak por abandonarem esse personagem tão badass e cativante! Se não sabem de quem estou falando, é de ninguém mais que Pulseman! O avô de Mega Man Battle Network. Sim, o avô, pois esse lance de poder se teleportar para dentro dos aparelhos eletrônicos surgiu com esse rapaz de capacete vermelho. 

Há, chupa essa agora, Keiji Inafume!

Pulseman tinha tudo para decolar e ser nos dias de hoje um platformer peso-pesado para bater de frente com Mario, Rayman e Donkey Kong. Possui um modelo próprio de jogabilidade, onde temos que "carregar" a energia de Pulseman para ele poder utilizar suas habilidades, como disparar bolas de raio ou se transformar em uma bola de energia desgovernada que sai rebatendo para todos os lados feito uma bola de borracha.

 E sim, você não tem noção do quão isso é INCRIVELMENTE DIVERTIDO. Além do mais, o jogo também possui um elenco de personagens que são tão carismáticos que será impossível você não gostar deles. 

Mas claro, pelo mesmo motivo que temos de lavar a louça da casa, nada nesse mundo é perfeito e Pulseman também tem defeitos e pontos a serem corrigidos e isso atrapalha de forma considerável no desempenho do jogo. Controlar a velocidade do herói é bem irritante às vezes, e o level design em alguns pontos parece ter sido feito por mongolóides que estavam no lugar errado na hora errada e os controles de vez em quando te frustam um pouco. 

A questão é: Pulseman é um jogo que tinha um potencial enorme, mas não foi muito bem explorado e trabalhado. Porém, era possível sentir esse potencial ao joga-lo. Se a Game Freak não tivesse investido tanto em Pokemon, poderíamos estar jogando continuações dessa série que tinha um brilho próprio até hoje. 

Half Life 

Ah Half Life... Um dos casos mais emblemáticos quando o assunto é franquia abandonada ou sequencia que nunca é feita. Para vocês terem uma noção, "Half Life 3" é um termo mais pesquisado na internet do que "Half Life" e "Half Life 2". Uma sequencia, que não existe, é mais procurado do que seus antecessores e qualquer outra coisa relacionada a franquia propriamente dita. Se isso não é esperança para acreditar que a série irá retornar um dia, então acho que o Ash nunca se tornará um mestre pokemon. 

Não vou mentir, faz muuuito tempo que não jogo Half Life, e se dependesse de mim eu nem o colocaria nesta lista, mas o tumulto que os fãs fazem em todos os cantos da internet por um terceiro jogo da franquia é tão grande que eu realmente me senti na obrigação de coloca-lo aqui. E de qualquer forma eu tenho que dar um ponto para os fãs dessa série, porque tem muita série boa que foi abandonada e seus fãs meio que a esqueceram ou não arranjam tempo para debater sobre um possível retorno. Enquanto isso os fãs de HL vasculham notícias, teorias e diversas outras informações na crença de terem sua tão querida continuação. 

Mas, não se preocupem, o mistério já foi revelado:

Ok, ok, largue essa arma, você não vai conseguir me encontrar e mesmo que conseguisse ficaria muito decepcionado ao saber que sou imortal. Olha, prometo que irei pegar mais leve nas próximas piadas, tá bom? 

Samurai Shodown 

Não, a SNK não da mais bola para Samurai Shodown, basta ver o último jogo da série que foi aquele Samurai Shodown: Edge of Destiny de Xbox 360 era muito, mas muito meia boca, com uma jogabilidade incrivelmente rasa e foi, provavelmente, o motivo para a sepultura da franquia. Desde 2008 a SNK só vem falar desta série quando é para lançar um remaster, fora isso eles não dão um pio se quer, então para mim Samurai Shodown está acumulando poeira. 

Samurai Shodown, para os que nunca o jogaram, é um dos jogos de luta mais violentos que existem, seus jogos foram censurados em diversos fliperamas ao redor do mundo, pode-se dizer que é tão sangrento quando Mortal Kombat. Apesar do "Samurai"no nome, o jogo possui desde ninjas americanos até feiticeiros, dançarinos e uma cavaleira francesa medieval, tem de tudo! A série também tem algumas peculiaridades, como por exemplo podemos destruir objetos no cenário, um detalhe não muito conhecido naquela época. 

Se você gosta de jogos de luta por que ainda está aí parado lendo esse artigo? Vá jogar agora mesmo! Isso é uma ordem! Vamos, VAMOS! 

Chrono Trigger 

Certo, tá bom, eu sei que essa é a milionésima vez que eu falo de Chrono Trigger neste blog. Céus! Eu, praticamente, lambi a jeba desse jogo ao falar tão bem dele na lista dos melhores jogos do SNES, e olha que não sou o único a fazer isso, tem um pessoal fanático aí que trata esse jogo como se ele fosse a cura pro câncer.

Não há muito que eu possa falar sobre a série, temos o primeiro jogo, Chrono Trigger, que é, popularmente, um dos maiores e mais geniais RPG's já feitos, e o segundo jogo, Chrono Cross, que é um bom jogo, mas que divide opiniões, há quem ame tanto esse jogo a ponto de transar com uma cópia dele todas as noites, enquanto há quem o odeie tanto que prefere ser abusado sexualmente por um urso do que jogá-lo por um minuto. Eu, particularmente apenas digo que a história é tão complexa que tem gente que tá zerando ele pela décima terceira vez e ainda não conseguiu entender tudo o que acontece. 

Vai entender... 

De qualquer forma, ainda acredito que a série Chrono pode ser mais explorada, nem que a Square-Enix faça um remake dos jogos ou coisa parecida, já seria um presentão para os fãs. E ainda sim, se não fizerem, que pelo menos deixem os fãs produzirem seus fan games, pode ser, Square-Enix?!

Para quem não sabe, um grupo de fãs estavam produzindo um remake sensacional de Chrono Trigger lá para meados de 2008 e a Square-Enix chegou junto metendo o nariz e "pedindo gentilmente" para cancelarem o projeto. Agora você também compreende um pouco da minha incandescente fúria e deve estar neste exato momento organizando uma revolta armada contra os detentores dos direitos autorais da série Chrono, estou certo? 

De nada.

Mega Man 

E vamos finalizar a lista com um dos mascotes mais amados e idolatrados do mundo dos videogames, que mais tarde foi jogado de lado de forma tão tosca e decepcionante que faria qualquer caso de bullying virar piada. Estamos falando do Blue Bomber: Mega Man! 

E, novamente, estamos falando de uma série da Capcom que foi largada na rua feito vira-lata de pedreiro. Sério, o que acontece com os diretores da Capcom? Usam drogas? São meramente sádicos? Transam com colegiais japonesas em um estádio de baseball com homens em volta vestidos com roupas que lembram vagamente uma galinha despenada? 

Nunca saberemos...

De qualquer forma, Mega Man foi deixado de lado pela Capcom porque.... Érm... Bem..... Eu não sei! E é exatamente esse o ponto, não havia motivo nenhum para a Capcom abandonar a série. O último jogo do blue bomber que foi anunciado seria Mega Man Legends 3, que diga-se de passagem, muitos fãs estavam esperando há um bom tempo e em 2010 a Capcom anunciou a interrupção do desenvolvimento do jogo. Na mesma época a mesma cancelou a produção de Mega Man Universe, que seria uma espécie de "Super Mega Man Maker", onde poderíamos construir nossas próprias fases de Mega Man ou algo assim. 

Logo uma legião de fãs ficaram arrasados, foi gritaria e choro para todos os lados, esse evento deu origem ao que chamamos hoje de "aquecimento global". A Capcom não liga muito para a situação e o máximo que a mesma faz é lançar coletâneas bobas com 5 ou 6 jogos da série clássica. 

Keiji Inafume, um dos criadores do Mega Man, saiu da Capcom e tentou criar uma "continuação espiritual" de Mega Man chamado Mighty no.9, o mesmo fez uma campanha e pediu financiamento do projeto aos fãs pelo Kickstarter e ele recebeu 4 MILHÕES DE DÓLARES para fazer o novo jogo, o que mostra o quanto a fanbase do mascote estava desesperada por um novo título. Claro que a essa altura os fãs começaram a fazer a festa, casamentos foram marcados para a data de lançamento do jogo, o PIB cresceu, a inflação diminuiu, Dilma e Temer foram vistos se abraçando e acertando as contas e o mundo parecia estar em paz novamente.

Tudo permaneceu bem até o dia em que Mighty no.9 foi lançado e se mostrou uma grande porcaria de jogo, com um level design sem criatividade, gráficos incrivelmente datados e controles e jogabilidade porcas. Alguns historiadores dizem que esse foi o motivo para o início da terceira guerra mundial. E para piorar toda a situação (que já estava pior do que esterco de cavalo) é que quando Keiji Inafume foi questionado ele teve a cara de pau de dizer que "Mighty no.9 é melhor do que nada". 

E o mais engraçado é que eu preferia nada mesmo. 

Mas, falando sério, Mega Man é uma das minhas séries preferidas, creio que toda semana eu jogo pelo menos um pouco, e olha que eu não tenho lá muito tempo livre ultimamente para jogar. Sempre gostei muito da série X e Battle Network, além da Clássica, Zero e Legends que cheguei a jogar bastante também quando mais jovem. Resumindo, Mega Man fez a minha adolescência, se eu o conhecesse pessoalmente daria um abraço enorme o agradecendo por tudo que me fez passar. Ver o que acontece com a série nos dias de hoje é de causar lágrimas nos olhos de qualquer fã. Espero, de verdade, que algum dia a diretoria da Capcom perceba o quão os jogos do blue bomber são importantes para os fãs e retorne a produzir jogos dele. 


Bom galerê eu finalizo por aqui este post, já está de madrugada e estou morrendo de sono, afinal, por incrível que possa parecer, eu também sou um ser humano comum e preciso reconstituir minhas energias. Espero que tenham gostado deste post, se quiserem adicionar algo ou apontar algum defeito ou conselho sintam-se a vontade para comentar logo abaixo, desde que não sejam comentários babacas que com certeza receberão meu eterno desprezo. Eu sei que ainda há outras séries que podemos falar a respeito, como Conker, Earthworm Jim, Final Fight, etc, o motivo de não ter falado destas é que nunca as joguei e/ou não tenho conhecimento o suficiente para dissertar sobre. Mas, se tudo der certo farei uma parte dois. 

Não esperem um novo post muito cedo, como eu disse, minha vida está difícil e tempo é algo que eu estou precisando sacrificar para postar por aqui. Mas, sempre que eu arranjar um pouco de stamina sobrando irei utilizar aqui, até lá, que Dr Light os abençoe! 

See Ya!

Comentários

  1. Acabo de chegar ao blog, e ao ler sua postagem, pergunto...

    Você lê o Blog do Amer?

    ResponderExcluir
  2. Also, parece que a parte do MegaMan ficou datada ahahahahua

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. POIS É, isso não pode ser coincidência. Algum funcionário da Capcom leu esse post antes de anunciarem o Mega Man 11.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Harvest Moon (SNES)

Os 5 melhores e piores jogos do Super Nintendo